La vie en rose - Lingerie

quinta-feira, abril 26, 2012


Não é de hoje que a mulherada sofre para ‘’andar na moda’’. E quando digo sofrer, estou me referindo a sofrimento físico. Os problemas de saúde causados pelos Espartilhos eram diversos, pois, para garantir a sustentação, as peças eram feitas com hastes de prata, marfim, osso de animal ou até de madrepérola. Entre os vários colchetes e ilhoses, os espartilhos eram atados com tanta força, que as mulheres sofriam fisicamente. Problemas de distúrbios respiratórios, circulatórios e, claro, digestivos eram extremamente comuns. Essa peça tinha como objetivo afinar a cintura e manter o tronco ereto.

Dado a breve introdução, eis o verdadeiro intuito deste post:

Você conhece a história da Lingerie? Desde o dia que nascemos, até hoje, percebemos mudanças significativas nas roupas íntimas femininas, mas não nos surpreendemos. São mudanças sutis, e, portanto, aceitáveis. Mas e quando nos deparamos com as roupas íntimas das décadas passadas e comparamos com as atuais? Incomum é não se surpreender.

O Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB) inaugurou no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a exposição “La vie en rose - Lingerie (Belo Horizonte, 1890/1990). Sedução e controle na intimidade feminina”. A mostra tinha como objetivo reunir lingeries usados na capital desde a Belle Époque até meados do século XX, e pelo o que tenho ouvido falar a respeito, realmente conseguiram atingir o objetivo traçado.


A exposição ficará em cartaz até 6 de maio, no foyer térreo do edifício-sede, e pode ser vista às terças, sextas, sábados e domingos, das 10h às 17h, quartas e quintas, das 10h às 21h. A entrada é gratuita.

A moda própria do Brasil ainda não havia nascido nesta época, e, portanto, éramos completamente europeus. Vale ressaltar que devemos muito a essas mulheres que, em seguida, revolucionaram a moda. Umas das pioneiras no quesito: sofrer para estar na moda, elas nos deixou uma grande herança.

Fica a dica para o final de semana. Você não vai gastar um centavo, e sairá mais rico culturalmente. Não é sempre que temos a oportunidade de enxergar o passado, bem diante de nossos olhos, não é?
Informações: (31) 3277-8573
Site: http://www.amigosdomhab.com.br
Endereço: Av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim - Belo Horizonte/MG
Local: Museu Histórico Abílio Barreto

Leia também

  1. Bem,como historiador,não precisa nem dizer que qualquer texto que envolva História me chama extremamente a atenção.Este tema é brilhante por vários motivos,dentre estes,destaca-se este forte reflorescimento social que as mulheres vem adquirindo,processo iniciado ainda no século XIX,com os ideias iluministas de ''Declaração dos Direitos Humanos'',fomentados pela Revolução Francesa.Creio eu que,ao dar uma identidade cada vez mais fixa,a sociedade ocidental passa por um maravilhoso processo de amadurecimento.Como homem,acho maravilhoso ler,ouvir,ou assistir este grito de liberdade e identidade femininos.

    ResponderExcluir